Participaram da primeira etapa 16 hospitais. Agora, outros 20 hospitais passam a integrar a iniciativa que visa diminuir a superlotação nas emergências, totalizando 36 instituições atendidas em 16 estados e o DF.

 

O Projeto Lean nas Emergências conseguiu diminuir em 45% o período de espera entre a triagem e o primeiro atendimento médico. Após a intervenção em 16 hospitais que participaram da primeira fase do projeto, esse tempo passou de 3h para, em média, 1h30. Considerando o período desde a entrada na unidade de saúde, passando pela triagem, consulta, administração de medicamentos e exames, até a alta médica, o paciente que busca atendimento nessas emergências passa, agora, duas horas a menos no pronto-socorro - uma redução de 37%, passando de 7h para 5h.

Esses são os resultados da implantação do projeto Lean nas Emergências que completa um ano e teve a segunda etapa lançada pelo Ministério da Saúde no último mês, em uma parceria com o Hospital Sírio Libanês, envolvendo mais 20 hospitais de 13 unidades da federação. Até 2020, a meta é intervir na gestão de 100 hospitais.

O secretário de Atenção à Saúde, Francisco Figueiredo, destaca que reduzir a superlotação nas emergências das unidades públicas e filantrópicas de todo o país é o objetivo do Projeto Lean nas Emergências. “Nossa meta é reduzir desperdícios, o excesso de burocracia na chegada, permanência e saída do paciente do pronto-socorro, além do retrabalho a partir de etapas desnecessárias. Com isso, garantimos mais acesso e mais agilidade no atendimento ofertado ao cidadão, que não se desgasta com o tempo de espera excessivo entre os procedimentos”, avaliou.

 

Acesse a página do Lean nas Emergências

 

Lean nas Emergências

É uma iniciativa desenvolvida pelo Ministério da Saúde por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI) e executado em parceria com o Hospital Sírio-Libanês. A metodologia do projeto visa melhorar a gestão nas emergências racionalizando recursos, reduzindo desperdícios e otimizando espaços e insumos para diminuir a superlotação nas urgências hospitalares. Essas ações facilitam o acolhimento e atendimento dos pacientes nos prontos-socorros dos hospitais.

Os hospitais que participam da iniciativa passam por um processo de intervenção, fase onde profissionais do Hospital Sírio-Libanês visitam os prontos-socorros e se reúnem com gestores e profissionais dos estabelecimentos para identificar dificuldades e implementar ações de melhoria, de acordo com as ferramentas da metodologia Lean, bem como capacitar as equipes. Essa fase dura, em média, seis meses e, após o término desse período, os hospitais passam por uma etapa de controle, por mais seis meses, para garantir a transformação no gerenciamento dos hospitais e que esses novos hábitos e padrões continuem mesmo após o fim das visitas.

 

A Metodologia

O modelo de trabalho foi criado na indústria automobilística japonesa para aumentar a produtividade e a eficiência no cenário pós 2ª Guerra Mundial. O Sistema Lean, que pode ser traduzido como produção enxuta, foi utilizada em praticamente todos os setores produtivos do ocidente. E, a partir da década de 90, houve uma adaptação para utilização na área da Saúde.

No SUS, o projeto Lean nas Emergências busca organizar fluxos internos para otimizar recursos, espaços e insumos. Para isso, utiliza-se ferramentas, como o NEDOCS, que mede a superlotação a partir de parâmetros como taxa de ocupação dos leitos, número de leitos, tempo de passagem pela urgência até a alta.

Entre as propostas da metodologia Lean nas Emergências nos 16 hospitais participantes foi a identificação do tempo de atendimento e de maior fluxo na porta da emergência geral e, desta forma, alocar recursos humanos nos horários de maior fluxo de pacientes, o que agiliza o atendimento e reduz o tempo de espera.

 

Veja a tabela completa, clicando aqui.

 

 

 

Com informações do Portal do Ministério da Saúde (13/12/2018)