weibnar-7jul2022-1-848x477

Saúde como área estratégica é tendência mundial, diz Boldrin

Executivo diz que pandemia forçou diversos países a reverem suas plantas indústrias para manter a soberania local.

O presidente do Conselho de Administração da Abiis (Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde), Bruno Boldrin, disse que a saúde começou a ser vista como um setor estratégico para a soberania nacional com a chegada da pandemia de covid-19.

Segundo ele, o movimento está resultando em uma revisão de políticas industriais de diversos países para produção de insumos, medicamentos e vacinas para conter o vírus.

No webinar “Eleições 2022: desafios e futuro da indústria da saúde no Brasil”, promovido pelo Poder360, em parceria com a Abiis nesta 5ª feira (7.jul.2022), Boldrin explicou que o setor no Brasil estava em uma tendência de crescimento. Mas a crise econômica decorrente da pandemia modificou “drasticamente” o cenário, muito em função das cadeias de suprimento. E, a partir de 2020, o mundo começou a olhar o segmento como estratégico.

“O presidente Joe Biden, nos Estados Unidos, com 20 dias de mandato, emitiu um decreto obrigando o governo norte-americano em um período de um ano a rever as cadeias de suprimento de 6 setores estratégicos: defesa, telecomunicações, energia, saúde, entre eles.”

Boldrin falou que a Europa fez a mesma coisa. Aplicou mais dinheiro em pesquisa e em formas de tornar mais eficiente a cadeia de suprimento. “A Rússia, querendo ou não, aprovou a sua vacina Sputnik em mais de 80 países. A China aprovou a Coronavac, mais insumos”.

Assim, o especialista avalia que o setor está dentro de uma forte estratégia dos países para aumentar sua diplomacia e para cuidar de suas próprias populações.

Webinar do Poder360

Boldrin explicou que a escassez de testes, oxigênio, agulhas e outros insumos na pandemia foi muito em função do desajuste das cadeias globais de suprimentos.

Para contornar esse problema, o executivo defende a aprovação do projeto de lei que cria uma estratégia nacional de saúde – o PL 2583/2020.

“É um projeto que prevê uma série de avanços para o setor. A Abiis apoia”, afirmou. Citou ainda o decreto 10.531 de 2020, que prevê a estratégia nacional de desenvolvimento, incluindo o setor de saúde.

“Nós já temos ferramentas que prevê avanços na área. O que estamos trazendo para esses líderes políticos e públicos neste ano eleitoral –em que se debate as necessidades do país– é que essa indústria seja colocada como estratégica.”

Em conversa com empresários, Boldrin disse que o maior gargalo para o crescimento do setor é a alta carga tributária do país. “O setor de saúde tem algumas isenções, pela importância social e econômica. Mas isso é muito desorganizado. A complexidade tributária é muito grande.” 

Outros entraves são a inflação, o câmbio, a cadeia logística e a falta de pesquisa e desenvolvimento.

O executivo defende o fortalecimento da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Segundo ele, o setor não defende menor regulação, e sim um regimento mais “inteligente”, com boas práticas regulatórias.

“O Brasil precisa ter mais acordos comerciais nessa área de saúde”. Segundo ele, o setor não precisa produzir tudo dentro do país, e, sim, ter estratégias com parceiros para ter autonomia no segmento.

Ao concluir sua análise, disse: “É fundamental que o SUS seja fortalecido do ponto de vista orçamentário e de gestão”.

Assista (5min38s):

Assista ao evento completo transmitido Ao Vivo no canal da ABIIS no YouTube:

Com informações do site do Poder 360 (07/07/2022)

Últimas Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.