Jong-Yoon-Chun_3
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Teste que identifica até cinco variantes do coronavírus foi desenvolvido com apoio de inteligência artificial

O emprego da Inteligência Artificial (AI) permitiu que, em vez de um ano, um teste para identificação do vírus selvagem e de até cinco variantes fosse desenvolvido em poucas semanas, o que é vital quando se trata de combater a pandemia causada pela COVID-19. A informação é de Jong-Yoon Chun, CEO da Seegene Inc., empresa coreana associada à CBDL e responsável pela venda de dez milhões de kits de PCR à Organização Panamericana de Saúde – OPAS – com recursos do Ministério da Saúde. Recentemente, Chun anunciou que os testes de diagnóstico multiplex produzidos com a nova tecnologia “podem inclusive identificar novas variantes”.

O especialista explica que o diagnóstico molecular baseado em PCR em tempo real é considerado o padrão ouro para os testes, mas que a tecnologia convencional é aplicada na detecção de uma única variante. O desafio era conseguir um teste que num único tubo permitisse a identificação das várias mutações, inclusive as que vierem a ocorrer.

“A incorporação da Inteligência Artificial acelerou o processo de desenvolvimento, desenhando e otimizando os reagentes e realizando avaliações clínicas”, diz Jong-Yoon Chun, facilitando o processo de desenvolvimento de produtos. Ele se refere a produtos no plural, porque a implementação da nova tecnologia permitirá o desenvolvimento de novos reagentes para o diagnóstico de outras doenças infecciosas, cânceres e da resistência a fármacos, já que o desenvolvimento de testes de RT-qPCR será automatizado e localizado.

Para o CEO da Seegene, a lição apreendida em decorrência da disseminação de variantes preocupantes é que seria preciso reformular a maneira de lidar com a pandemia, “é preciso ser ágil na resposta ao vírus, com testes diagnósticos para identificar as cepas mais contagiosas”. De acordo com ele, mesmo com o avanço da vacinação no mundo será preciso diagnosticar as pessoas antes e depois de receber a vacina, para saber se são portadores assintomáticos de COVID-19 e o nível de eficácia das vacinas. Por isso será necessário continuar usando por um bom tempo os testes diagnósticos.

O CEO da Seegene é otimista quanto ao futuro. Ele entende que, em alguns anos, o diagnóstico molecular será parte do cotidiano em todos os países, “e quando isso acontecer, seremos capazes de prevenir não só pandemias, mas muitos tipos de doenças”.

Jong-Yoon Chun afirma que, embora entre três a cinco anos seja provável que enfrentemos outra crise sanitária como essa, o desenvolvimento das empresas de biotecnologia é tão rápido, que a próxima pandemia não será motivo de preocupação. “Podendo fazer os testes de diagnóstico molecular em qualquer lugar, em casa, no trabalho, na rua, identificaremos uma epidemia e rapidamente produziremos as armas para vencê-la ainda nos estágios iniciais da doença”, conclui.

Com informações do site da CBDL (13/04/2021)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *