Novas tecnologias da saúde e a ciência de dados são parte dos novos desafios da regulação sanitária no mundo. Este foi um dos pontos ressaltados durante a Global Summit on Regulatory Science, que aconteceu no último dia 20 de setembro, em Brasília.

 

O encontro internacional reuniu cientistas da área de saúde, empresas e governos para discutir tecnologias emergentes e como elas devem ser reguladas antes de chegar ao público. O desenvolvimento de conhecimento e treinamento para uma atuação científica da regulação também foi debatida.

 

Entre os exemplos de novas tecnologias que desafiam a regulação na área de saúde estão a biotecnologia e a possibilidade de desenvolvimento de medicamentos personalizados, a impressão 3D de órgãos e a ciência de dados que podem melhorar o sistema de decisões da regulação.

 

O adjunto do diretor-presidente da Anvisa, Pedro Ivo Ramalho, destacou alguns pontos em que a Anvisa tem trabalhado no Brasil e defendeu um papel da regulação que seja promotor da inovação e do crescimento.

 

Segundo, William Slikker Jr., diretor do Centro Nacional para Pesquisa em Tecnologia do EUA, ligado ao U.S. Food and Drug Administration (FDA), a proposta da Global Summit é reunir os maiores especialistas na área de regulação e saúde para troca de informações.

 

Esta foi a sétima edição do evento.

 

 

Com informações do Portal da SaúdeJur (21/09/2017)