Ministros da Saúde dos países do Mercosul se reúnem na Argentina
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Ministros da Saúde dos países do Mercosul se reúnem na Argentina

No encontro, o ministro da Saúde do Brasil, Luiz Henrique Mandetta, reforçou a participação do país na criação de um banco de preços único para a compra de medicamentos de alto custo para os países do bloco.

O Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, participou nesta sexta-feira (14), da XLIV Reunião de Ministros e Ministras de Saúde do Mercosul e Estados Associados, em San Carlos de Bariloche, Río Negro, na Argentina. Durante o encontro, o ministro brasileiro e os demais se comprometeram a reunir esforços para negociar preços de medicamentos de alto custo; e garantir melhoria nos níveis de vacinação nas Américas, com foco nas fronteiras. O ministro Mandetta apresentou o processo de incorporação do medicamento spinraza, anunciado nesta semana, para o tratamento da doença rara Atrofia Muscular Espinhal (EMA), no Sistema Único de Saúde (SUS). O medicamento será o primeiro a ser adquirido por meio do compartilhamento de risco, nova modalidade de compra adotada pelo SUS.

O ministro Luiz Henrique Mandetta também aproveitou a ocasião para convidar os ministros dos países do Mercosul a participarem do evento de lançamento do Relatório Global de Controle do Tabaco, que o Brasil irá sediar, no dia 26 de julho, no Rio de Janeiro. Os dados a serem divulgados são da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Participaram do XLIV Reunião de Ministros e Ministras de Saúde do Mercosul e Estados Associados, os ministros das Saúde dos estados partes do Mercosul: Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. Além de representantes dos estados associados Chile, Equador, Peru e Bolívia (Estado Parte em processo de adesão). A reunião acontece a cada seis meses, no país que exerce a Presidência Pro Tempore do bloco. O próximo será realizado no Brasil. “Faremos todos os esforços para dar continuidade à agenda da saúde no Mercosul”, afirmou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

“Definimos uma convergência de esforços no intuito de negociações de preços de medicamentos de alto custo, e para garantir melhoria dos níveis de vacinação nas Américas, com foco nas fronteiras. As vacinações se tornam a cada ano mais importantes e fundamentais para as doenças já erradicadas. É um desafio geracional. As novas gerações precisam escutar aqueles que passaram em anos anteriores por dramas com a pólio, o sarampo, e a difteria, que é uma doença infecciosa grave”, afirmou Luiz Henrique Mandetta.

O ministro ressaltou ainda a importância de todos os países redobrarem os esforços para melhorarem seus níveis de vacinação. “O Brasil caminha nesse sentido, com o movimento Todos pela Vacina. Atingimos a meta nas vacinações de gripe e estamos avançando em recuperarmos um bom nível de vacinação em todo o Brasil”, afirmou.  Pela primeira vez, o Governo Federal brasileiro estabeleceu a cobertura vacinal como meta prioritária para a gestão de Saúde no país. O país tem atuado ativamente junto aos estados e municípios no enfrentamento do surto de sarampo.

Agenda de Discussões

Durante o encontro, os ministros da Saúde assinaram declaração sobre a priorização da saúde em todas as políticas para prevenir e controlar as enfermidades imunopreveniveis e reemergentes. O documento ressalta a necessidade de manter as coberturas vacinais para prevenir a reintrodução de doenças, já eliminadas e que podem ser prevenidas com as vacinas disponíveis. O tema está em consonância com as outras iniciativas propostas pelo bloco, como o Plano de Saúde em Fronteiras, que integra vigilância como uma das linhas de ação, e a rede de trabalho de equipes técnicas do programa de imunização. 

Um segundo documento assinado foi o Plano de Trabalho em Saúde em Fronteira. O objetivo é estabelecer um marco de referência para as ações de saúde pública nas zonas de fronteira do Mercosul e terá duração de quatro anos (2019 a 2023). O Plano estabelece quatro eixos de integração. São eles: Rede de Serviços de Saúde, que trata da melhoria da capacidade de resposta da rede de Serviços em Saúde em infraestruturas e adequação dos serviços, incorporação da tecnologia da informação e comunicação, como contribuição para a prestação de serviços de atendimento à saúde; e Vigilância e Informação em Saúde, que prevê o fortalecimento dos sistemas de informação para o desenvolvimento e implementação de uma rede de intercâmbio de informação entre os países limites.

O terceiro eixo é Gestão de Recursos Humanos, que tem o objetivo de fortalecer a capacidade dos gestores de recursos humanos em saúde das zonas de fronteira. Por fim, o quarto eixo trata da Articulação Intersetorial para a Abordagem dos Determinantes Sociais. O objetivo é fortalecer o trabalho intersetorial dos governos locais e apoiar a governabilidade, a governança e a participação social.

O ministro Luiz Henrique Mandetta também falou que o Brasil está firme no propósito da promoção da saúde e prevenção das doenças não transmissíveis. “Vamos fortalecer ações de educação física na Atenção Primária, aliado à promoção de alimentação saudável”, destacou.

Com informações do portal do Ministério da Saúde (14/06/2019)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *